Arquivo de fevereiro, 2010

Artistas de Rua

Posted in Arte, Atitude, Atualidades, Opinião, Polícia with tags , , on 26/02/2010 by Carlos Baltazar

Viver numa cidade como São Paulo é uma experiência que transcende, assim como em qualquer outra metrópole do mundo. Em qualquer esquina é possível encontrar figuras das mais exóticas às mais conservadoras. No meio de todas as tribos que convivem tem sempre os que estão sem saber a razão. Pessoas que por vários motivos ficaram à margem do processo social e por isso revoltam-se contra todos que não sejam da sua extirpe. O errado lhes atrai, o feio lhes seduz, o confronto lhe é combustível. Assim são os pichadores, pessoas que não tem eira nem beira, porque sua raiz é assim, não tem educação, responsabilidades, estudo, destino. Vivem sob a vida e dela tentam ser algozes, vingadores, executores. Usam seus tubos de tinta com único meio de poder dizer e serem ouvidos, buscam os locais mais altos e inatingíveis para provar que são seres superiores e que a sociedade não os enxerga como eles queriam ser vistos. A verdade é que são párias e frutos do sistema que acham agredir, inocentes úteis numa sociedade que sempre irá massacrá-los. Grafiteiros são outra categoria, não se misturam, pois alçaram a uma condição de vida e que não desejam retroceder. Aos pobres habitantes da cidade, que são obrigados a ver o lixo de sua produção, resta a tristeza de viver numa cidade cheia de estrangeiros urbanos, infelizes seres que mal caligrafam sua assinatura num papel, mas que tentam voar mais alto com seu analfabetismo itinerante, tentando travesti-lo de algum conceito de arte, um lugar que jamais irão ocupar.

p.s.: o caos sempre foi reduto de idéias e saídas, mas até no caos o respeito deve ser mantido, porque mesmo o caos atende à sua própria condição de profusão…

Saudosismo 16

Posted in Arte, Atualidades, Opinião, Saudosismo with tags , on 26/02/2010 by Carlos Baltazar

Carnaval sempre foi motivo de festa e alegria para nós os moleques de então. Eram dias de guerra aquática e glória nas ruas próximas de casa. Enchíamos as nossas xiringas(*) de água e partíamos para o confronto pessoal. Primeiro aquecíamos nossas “armas” contra nossos vizinhos, depois íamos ao encontro de outras ruas com o intuito de dominar territórios. Era uma farra de verdade, só risadas, só alegria. Um bando de moleques correndo para molhar uns e outros, até os carros que passavam. O uniforme era só um calção e pé no chão e água pra que te quero. Lembro que num carnaval pegou fogo numa fábrica de macarrão perto de casa e, claro, fomos lá ver os estragos. Tinha um monte de embalagens de macarrão vazias em lotes prontos para serem usados. Pegamos muitas e fizemos delas um arsenal de guerra adicional: enchemos de água, amarramos a ponta e com elas fomos ao encontro de outras turmas nas ruas vizinhas. Que farra. Outro fato é que as tampas de plástico das xiringas por força de estarem toda hora sendo retiradas e postas normalmente se perdiam numa esborrifada com mais vigor e aí ficávamos sem a contenção necessária a um jato mais longo. Improvisávamos com tampa de pasta de dentes, era fantástico. À tarde, íamos ao Clube Lestinho, matinê, jogar confete, serpentina e fantasiados de índios, afinal era só por uma pena na cabeça e pronto. Pular ao som das marchinhas carnavalescas de “mamãe eu quero”, “cabeleira do Zezé” e tantas outras era o som do carnaval. Quatro dias de folia, diversão e cheiro de infância feliz.

p.s.: mais tarde tudo começou a mudar, as pessoas começaram a jogar ovos, misturar água com anilina, cândida, enfim, foi embora a ingenuidade e acabou a alegria. Hoje o carnaval é símbolo da sua própria essência: festa da carne…

O Grito dos Inocentes

Posted in Atitude, Atualidades, Mídia, Notícias, Opinião, Política with tags , , , , , on 24/02/2010 by Carlos Baltazar

Bradar por liberdade é direito de todo ser humano, principalmente contra regimes que sempre se disseram democracias populares. Cuba é um grande exemplo disso. Ditadura feroz, sanguinária contra seus opositores e alguns apoiadores, a ditadura cubana merece o repúdio daqueles que velam pela liberdade própria e alheia. O processo de miserabilidade desses países em processo de doutrinamento socialista e já dominados é real e quase irreversível a curto prazo. A visão distorcida e malévola de seus dirigentes chega às raias do cinismo criminoso e sem remorso. Segundo fidel “as mulheres cubanas universitárias não viraram putas, mas sim as putas cubanas são todas universitárias”. E tantos morreram por tão pouco na história da vida…

p.s.: sugiro um artigo básico do colunista da folha, Clóvis Rossi, sobre o silêncio gentil do Brasil sobre os direitos humanos em cuba.

Luiz Ciro Dirceu Dallari da Silva

Posted in Atitude, Atualidades, Notícias, Opinião, Política with tags , , , , , on 24/02/2010 by Carlos Baltazar

Oportunismo socialista corrupto se mostra febril quando o assunto é Poder. Um cearense fajuto desastradamente nascido em São Paulo, mas que graças foi morar no Ceará, quer ser governador de São Paulo. Devo ser franco: não aguentamos mais picaretas de esquerda aqui. Vai-te embora coisa ruim, você que engana a todos inclusive às suas patrícias. Aqui é lugar de gente séria, trabalhadora, por isso o pt não ganha aqui, porque não somos aventureiros, somos bandeirantes, e motor diesel do Brasil. Vai lá vender coco nas praias de Sobral(sic).

Outro fato relevante e surpreendente para poucos foi o discurso do “grande líder mundial” na reunião dos países sem-expressão-para-nada, lá no Caribe. É possível ver no post do Reinaldo Azevedo alguns trechos relevantes da fala desse ser repugnante e sua face nua assumida. Destaque para o Rei do Tártaro, Marco Aurélio Top Top Garcia, general linha dura do atraso, representante do que há de mais nefasto na cartilha dos ditadores sanguinários.

Vale a pena também o artigo desse mesmo blogueiro sobre Dalari, jurista-fajuto-riquinho-petista e da maior negociata que se tem notícia no governo federal com a telebrás tendo por trás, lógico, zé dirceu, o senhor que entrará para a história como a mais ardilosa e corrupta mente produzida pela esquerda no país.

p.s.: quando tudo estiver consumado devemos ter em mente que o perigo nos ronda permanentemente, e muito tempo haverá até que essa corja seja extirpada de nossas fronteiras…

Inversão de Valores

Posted in Atitude, Atualidades, Notícias, Opinião, Polícia, Política with tags , , , , , on 24/02/2010 by Carlos Baltazar

A seriedade em nosso país está virando algo raro. Fatos extremamente graves tornam-se corriqueiros diante de nossos olhos, e parece que não há tanta gente de bem que grite e se revolte pelos meios em que ainda isso é possível. O assassinato do menino João Hélio, brutalmente arrastado por ruas do Rio até a sua morte, ficou em nossas mentes como um ato de selvageria, covardia e ódio pela vida. Animais não fariam isso com inimigos, a não ser por fome ou domínio territorial. Esse é o ponto. Estamos disputando espaço com mentes perversas, doentias e assassinas. Ver pessoas ou instituições defendendo direitos desses dejetos humanos é um exercício de paciência e humanismo. Todos sabem que a maioria dessas ong’s que defendem direitos humanos de bandidos e sua prole recebe recursos do crime para tanto, vivem da desgraça das famílias de bem, sobrevivem pela morte e da perdição alheias. Criam esses PPCAAM’s para bandidos e assassinos, e colocam ternos de defensores públicos para estar na estatura legal necessária. Vigaristas, covardes, como todos esses criminosos que chamam todo mundo de doutor quando a casa cai.

p.s.: aliás o Rio é ímpar nesse aspecto de ong’s. Vive cheio de boa vontade, arregimentando pessoas, pedindo paz e justiça e nada faz de verdade para acabar com o antro do crime na cidade: as favelas. O Poder sobrevive pela existência das favelas. Brizola sabia bem disso, a globo sabe disso, lulla sabe disso e esse arremedo de governador também. Enquanto isso os que sobrevivem ainda esperam por justiça pelas mãos de outros.

Nextel

Posted in Atitude, Atualidades, Notícias, Opinião, Política with tags , , on 23/02/2010 by Carlos Baltazar

Alguém já teve a horrível e incômoda sensação de ter um sujeito chato, mal educado, com um assunto besta, próximo de você, falando nesse telefone/rádio com outro sujeito babaca, sem assunto, usando gíria de bandido analfabeto incomodando todos à sua volta? Eu já.

p.s.: a corriola petralha se esbalda hoje a tramar falcatruas em belos smartphones, outrora, antes dos ventos liberais soprados na telefonia em governos anteriores, esse era o modelo preferido entre os pobres petralhas.