Arquivo para lula

Moqueca na Caserna…

Posted in Atitude, Atualidades, Comentário, Denúncia, Lava-Jato, Notícias, Opinião, Política, Sacanagem with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 29/05/2017 by Carlos Baltazar

18738896_1346007152135591_4313504457345445397_o1

Para deixar claro de início, não sou um intervencionista, mas desejo que o meu país possua militares com capacidade suficiente para defender seu território, valores e futuro. Afinal, eles são os encarregados disso. Mas é perceptível que as forças armadas do Brasil adquiriram um letal complexo de vira-latas após o período do regime militar, nos anos 60. E quebraram a cara mesmo. Meteram-se com vários civis que os fizeram de otários. Delfim Netto (conselheiro pessoal de Lulla), Ernane Galvêas, Paulo Maluf, Shigeaki Ueki e vários outros. E no campo da repressão não foi diferente, com o delegado Fleury e outros de igual calibre.

O certo é que muito da formação da caserna mudou desde então. Como nunca foram chegados à uma batalha de campo, os militares reservaram-se em cuidar de sua sucateada força e ideologia. Marginalizada em verbas e decisões nos governos civis que os sucederam, os milicos começaram a ver que o negócio era brigar, mais por salários do que por ter forças realmente prontas para lutar pelo Brasil. As Forças Armadas no jargão do povo, “viraram Brasil”. Nada pior de acontecer. Nos governos fabianos de FHC, o comunista mais enrustido deste país, quase foram à falência, já que o sociólogo-presidente preferiu beneficiar bancos falidos e teles ávidas pela estrutura nacional de comunicações montada pelos governos militares.

Depois veio Lulla, que subjugou os militares à sua vontade como ninguém havia feito. Colocou à frente dos ministérios representantes das forças que mais pareciam ventríloquos do poder presidencial. E os humilhou de tal forma, a ponto de colocar vários comunistas na alta estrutura do ministério da defesa. Com Dilma não foi diferente.

Mas o que me chamou a atenção foi a recente declaração do ministro do exército, Eduardo Dias da Costa Villas Bôas, rasgando o véu do templo ao proclamar que a intervenção da Forças Armadas em 1964 foi um erro – “O Brasil da década de 30 e 50 foi o país do mundo que mais cresceu, com Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek. Nos governos militares, nas décadas de 70 e 80, nós cometemos um erro, nós permitimos que a linha da Guerra Fria nos atingisse, e o país, que vinha num sentido de progresso, perdeu a coesão”.

Parece que a ESG não anda fazendo seu trabalho de formação da tropa a contento. Exaltar Getúlio Vargas, um ditador populista e covarde? Ou Juscelino, que torrou todo o dinheiro do FGTS que havia na época para construir Brasília e enriquecer os empresários que repartiam ganhos, tal qual os que hoje mostram suas caras deslavadas na Lava Jato? São esses, General, os seus ídolos? Guerra Fria? Por acaso deixamos de comprar ou vender para a URSS ou do seu bloco? Não.

Essa parece ser a qualidade dos militares brasileiros de hoje. Conhecem (?) de política, mas pouco do que é ser um soldado de verdade. Enquanto Brasília pegava fogo e os ministérios eram depredados, num confronto político declarado que pode nos causar sérios danos sociais, o nosso brilhante general estava bem à vontade, no Instituto Fabiano de FHC, falando sobre segurança de fronteira.

Não dá para imaginar, nós pobres brasileiros, que a caserna seja um oásis de civismo e brasilidade no meio de nosso pouco nacionalismo varonil verde e amarelo. As forças vêm de nós, por isso padecem dos mesmos estigmas: corrupção, falta de liderança, falta de patriotismo e, talvez o pior de todas essas qualidades…a covardia.

Anúncios

“Cai o rei de espadas, cai o rei de ouros, cai o rei de paus…cai, não fica nada…

Posted in Atitude, Eleições, Lava-Jato, Notícias, Opinião, Polícia, Política with tags , , , , , , , , , , on 21/05/2017 by Carlos Baltazar

castelo-de-cartas-1

Numa só tacada, a dupla caipiro-petista Joesley e Wesley, assinou com sangue a morte do que restava da Velha e da Nova República. Após passar anos conseguindo bilionários empréstimos escusos do BNDES em troca de propina para centenas de parlamentares, a JBS começa a sentir o cheiro da sua derrocada, tal qual a Odebrecht.

Nos anos de ouro da Velha República, muitos parlamentares tornaram-se ricos por suas relações com o poder. Na Nova República não foi diferente. Apenas o poder “socializou” o dinheiro público, triangulando suas vertentes mais a miúde. Uma boa parcela dos políticos que não tinha acesso a mamatas no regime militar estava ávido por aproveitar-se do erário segundo as suas pessoais convicções. Sarney emplacou a ferrovia Norte-Sul. Collor, vendeu favores presidenciais, dizem que beirando os um bilhão de dólares. E FHC trabalhou intimamente com bancos, empresas de telefonia. Mas o marco da gestão tucana foi, o que hoje nos espanta, o primeiro loteamento do congresso para conquistar a sua reeleição, e as bases férteis para que a Petrobrás fosse quase aniquilada nos governos que se seguiram. Acabava aí a Velha e a Nova República. Aí veio o “Socialismo-Sindical” de Lulla e sua intrépida trupe, que alijou dos brasileiros bilhões de reais, naquela que sem dúvida foi a maior gatunagem pública que a humanidade já viu (ou você ainda duvida?). Dilma, aquela a quem deram a alcunha de “gerentona”, talvez mais por opção do que por sua competência gerencial, legou ao país mais de 13 milhões de trabalhadores desempregados, um dívida interna na casa do trilhão e tanto de reais, contas públicas em total falência além dos crimes institucionais e de relevo pessoal. Após um processo natural de impeachment, assumiu seu vice e formou o que se quisera chamar de “governo reformista”. Que nada. Sem grandes surpresas vem sobre ele igual ameaça, em forma de delação premiada (e eles ainda ganham prêmio?) e afastamento por conta de corrupção.

Afinal, o que estamos fazendo com nosso país?  Que tipo de governo nos é possível? Os brasileiros sempre tiveram receio de aplicar penas duras em quem comete crimes. Pior, acham que a maioria pode ser reconduzida à sociedade como um cidadão casto e fiel pagador de impostos. Mas não temos mais como levar este jogo adiante sem que façamos algo sério e agora. O sistema que temos nos induz à corrupção de forma implacável. A burocracia governamental, o sistema partidário e eleitoral, empresários que querem enriquecer às custas da miséria do povo. É preciso mudar nossa política, que sempre forma castelos de cartas, marcadas. O jogo precisa ser aberto, transparente. Todos à mesa devem poder participar e ter chances de ganhar. Hoje ganham apenas os caciques, os apadrinhados, os institucionalizados, aqueles que “eles” julgam ser melhores de lucro que outros. É hora de radicalizar nas consequências. Partir pro tudo ou nada. Varrer das instituições a praga da corrupção que nos escraviza. E cada povo deve achar seu destino. O que queremos para nós e o nosso Brasil?

Política Gourmet

Posted in Atitude, Comentário, Eleições, Lava-Jato, Mídia, Notícias, Opinião, Polícia, Política, Sacanagem with tags , , , , , , , , , , , on 21/05/2017 by Carlos Baltazar

lula-e-fhc

Muitos mortadelas e coxinhas adoram falar que se FHC e Lulla se dessem o Brasil seria outro. E sabe por que isso nunca aconteceu? Porque ambos possuem o mesmo desvio psicológico. Um, porque não é popular, outro porque sempre foi pobre. Ambos fizeram ruir os sonhos de milhões de brasileiros através do desemprego, inflação e…corrupção. FHC nos deu o PROER e a privatização estratégica da telefonia. Lulla quebrou a Petrobrás, Correios, Fundos de Pensão e muito mais. Ambos fizeram acordos políticos, e sabe lá mais o quê, com os piores coronéis da política deste pais. Ao invés de usar a população como aliada, fizeram questão de ter ao lado Renan, Sarney, Jucá, Jader, e tantos outros que vilipendiam o país e os miseráveis desse, há dezenas de anos. FHC e Lulla sempre lhes ofereceram tapetes vermelhos, polpudas oportunidades, enquanto afiavam seu discurso, um a excelência do academicismo e o outro o raso da semântica. Ambos gastos e ridículos. Leio hoje na Folha, o mais bondoso reduto para os recém demitidos petistas, um colunista que atesta que o Brasil precisava que FHC e Lulla tivessem entendimento para o Brasil funcionar. MENTIRA. O Brasil não precisa de FHC ou Lulla, precisa de gente honesta, séria e com capacidade de aglutinar a sociedade num projeto de Nação. Estamos na beira de um poço profundo e lamacento. Temer não possui capacidade nem carisma político para tirar o Brasil dessa pasmaceira cívico-econômica. Ele está lá porque foi alçado pelo establishment do poder. Não manda, não conhece as saídas, apenas converteu-se num domador de deputados e senadores, o que não deve ser muito difícil tendo o governo tantas tetas fartas. Lulla já havia feito isso, até mesmo o PSDB já havia se rendido aos seus encantos presidenciais. Dilma achou que podia fazer o mesmo com independência e dançou. Como dizia Quércia: “vamos buscar os bois no pasto”. Os deputados e senadores eleitos em 2014 sabiam que a farra estava feita, e tinham que aproveitar. Está feita aí a miscelânea política que jamais houve. O Legislativo não consegue legislar, pois a tudo recorre à Justiça. Não há políticos de bom calibre, mas uma arena de show armada para nosso deleite. É só lembrar da votação do impeachment da ex-presidente Dilma. Que vergonha…um circo. FHC comprou o Congresso. Lulla também. Isso é fazer o Brasil funcionar? Não. O Brasil espera por novos líderes, novas práticas, uma nova política. Em 2018 precisamos fazer uma limpa geral na política nacional. Sem medo, sem reticências. Vem aí reformas que destoam da vontade da população e que tem de ser feitas, segundo esses mesmos senhores, porque eles vêm fazendo besteira há anos, sem dó algum de nós. FHC e Lulla são filhos da mesma ideologia falida, de que nós somos a quem se conduz com falácias e algumas migalhas. Um deu frango barato, outro carro financiado para toda vida. Fórmulas infantis de desenvolvimento para um pais da magnitude do Brasil. Por isso FHC e Lulla podem ir abraçados pra onde quiserem, menos com suas teorias mentirosas sobre um país melhor para todos.

Democracia Fake

Posted in Atitude, Atualidades, Eleições, Lava-Jato, Notícias, Opinião, Polícia, Política, Sacanagem with tags , , , , , , , , , , on 20/05/2017 by Carlos Baltazar

O Brasil carece de partidos políticos. Ouso dizer isso quando mais de 35 partidos agem, e creio ser esse o termo correto, no sistema político brasileiro, como cartórios de interesses e instituições legais e não legais. O vilipêndio é tanto que chega ao ponto de organizações criminosas usarem essas estruturas para tutelar o Estado e até mesmo a Sociedade. E para saber a fisionomia e interesse da cada um deles é só ir ao site do TSE e ver as respectivas executivas. Tanto nacional, quanto estaduais. Lá estampam-se suas intenções. Serão nomes conhecidos e desconhecidos, mas todos cartoriais. Substrato do que nos foi legado por FHC, Lulla e Dilma nesses anos inglórios. E agora Temer, surfando num sistema de coalizão partidária que para manter-se no poder faz do Congresso uma feira de negócios, legais e não legais; e estes, os mais atraentes. Não é segredo histórico que o grande empresariado no Brasil viveu sempre às custas dos governos, desde o Império. Mas depois do advento do PT no poder, os governos resolveram literalmente viver às custas dos empresários, que continuam vivendo às custas dos governos, ou de nós, para ser mais exato. Eis o círculo diabólico e vicioso da corrupção. Não é à toa que os mais santos parlamentares e os mais instituídos partidos, votaram para desfigurar o projeto das dez medidas contra a corrupção, patrocinado pelo MPF e pela sociedade. Não é à toa que mesmo os partidos ligados às diversas instituições religiosas, por consequência menos expostos ao pecado, votaram contra a vontade da maioria da população. Isso mostra que no Brasil não existem partidos, mas grupos políticos. Por isso nossa sofridão democrática e nossa luta contra um estado de coisas, parece não ter fim ou medida. Reforma política no Brasil é patrocinada pelos que devem ficar continuamente no poder. E os partidos são os grandes fiadores desse estado de coisas, porque são seus arapongas que escolhem, quase que divinamente, quem será ou não candidato nas vindouras eleições. Eles decidem em quem você vai ou não vai votar. Isso não é poder demais? Não, e eu nem vou falar em fundo partidário, instituído nos moldes da fatídica coalizão. Ou seja, mais dinheiro para um lugar e para pessoas que nem você ou eu conhecemos. Já há movimentos, tanto no MPF quanto na população, para acabar com essa farra de poder absoluto dos partidos. Governos e partidos são para servir a sociedade e seus grupos sociais na plenitude, não institucionalmente. Temos que tomar os partidos para a sociedade. Afinal, quem são seus presidentes? Que interesses possuem? A nossa democracia não é verdadeira, é um fake. Está em dúvida? Confirme como votou seu deputado e seu partido nessa questão da corrupção. Partidos políticos servem, ou deveriam servir, como alento e esperança para à uma sociedade que clama há séculos por decência. Ao contrário, continuam a ser um amontoado de grupos de interesse particular, com retóricas gastas e fórmulas maculadas pela mentira. Infelizmente essa é uma esperança que, nos moldes atuais, não irá virar realidade. Não com esses partidos, não com essa nossa mobilização social.

10322441_1375820789373883_4541804641025785715_n

p.s.: há pouco, o presidente do Senado, Renan Calheiros, recusou-se a cumprir a ordem de afastamento do STF. Colocou em xeque uma ordem judicial da Suprema Corte. O que há por trás disso? Uma crise institucional, ou um golpe dentro do golpe? Enquanto os partidos forem comandados por pessoas que se interessam pela balbúrdia institucional e pelo interesse individual, nunca seremos uma democracia de verdade.

Partido dos Trabalhadores do C…

Posted in Atitude, Atualidades, Comentário, Denúncia, Eleições, Mídia, Notícias, Opinião, Polícia, Política, Sacanagem with tags , , , on 11/12/2012 by Carlos Baltazar

Engraçado como no Brasil as coisas envelhecem e delas nada se pode tirar. Senão vejamos na política, por exemplo. Valério, o homem que distribuiu dinheiros de corrupção, do banco BMG e negociatas federais das mais escandalosas, para parlamentares que deveriam estar na cadeia porque são bandidos e ladrões, decidiu dizer que Lulla, o magnífico, que sempre foi o pilantra da república socialista da vagabundagem, levou muita grana para pagar suas safadezas com Rose e outras mais. Além é claro de outros dinheiros para o Partido dos Trabalhadores. Propina, dinheiro roubado, desviado. O senador de algum estado medíocre, chamado Humberto Costa, diz que esse assunto é requentado. Meus caros leitores, leitoras(oi Ana) e GLBT’s, eu não tenho o menor problema quanto a fatos requentados produzirem bons frutos num belo processo criminal. Gosto de pizza requentada, feijão requentado, até café requentado eu tomo de vez em quando. E daí que é requentado? Porque o MPF já não abriu investigação sobre essa requentância toda? Que Lulla é bandido, todo mundo já sabia, mas faltavam provas concretas(tá bom…). Pronto, estão na mesa, mesmo requentadas. Esse senhor chamado Rui Falcão, lídimo descendente de uma casta constante em problemas legais, fala como se tivesse autoridade alguma. O PT é um partido de bandidos. Sequer o Suplicy escapa, sorry. Já é hora de acabar com essa coisa de “inimigo político”, estamos falando de bandidagem, roubo de dinheiro público, quadrilha organizada para roubar o erário, gente que não é brasileira, são pistoleiros. Pobres que se refastelam na pajelança nacional. É preciso acabar com essa praga que está convertendo nossa população em meros idiotas sorridentes gritando Timão ê ô. É preciso dar um fim nessa turma que se serve do Brasil para torná-lo seu particular Araguaia.

129_125-lula%20e%20o%20pt

p.s.: você meu seleto leitor tem alguma ideia de quantos escândalos graves o tal PT promoveu e se envolveu em sua pequena trajetória no poder? E quem pensa que Mensalão é só no Legislativo não se engane, o judiciário também está de toga e tudo no rolo…

Dá um trocado aí, dotô…

Posted in Arte, Atualidades, Comentário, Humor, Mídia, Música, Religião, Saudosismo with tags , , , on 06/12/2012 by Carlos Baltazar

Meus lídimos e seletos leitores já houveram de perceber o quanto no Brasil é chic se dizer que foi pobre. Os endinheirados adoram dizer que, embora vivam hoje nababescamente, um dia lá atrás, muito lá atrás, foram pobres, passaram fome e, o supra-sumo dessa mania, confessar que sua mãe era lavadeira. Putz, esse é o ápice para quem se deleita em dizer que um dia comeu o pão que o diabo amassou. É possível nessa tribo encontrar gente de todos os níveis institucionais do país. O último, agora há pouco, foi Joaquim Barbosa, que até levou sua lavadeira, digo mãe, para vê-lo galgar os degraus da suprema corte brasileira. E lá estava ele, filho de mais uma lavadeira sendo redimido pela sociedade que no início o baniu de suas hostes. Lulla foi outro que tinha a mãe lavadeira, mas esse aí é outra história. Pelo menos no que  diz respeito a tornar-se alguém. Mas a verborragia dos pobres não para por aí, não. Há uma classe de pessoas que, pressupõe-se, foi todinha feita de lavadeiras. Os cantores e cantoras de MPB. Todo mundo chora ao lembrar de suas origens humildes, sua mãe no tanque lavando roupa pra fora, dando duro enquanto seu pai só enchia a cara de cachaça, lógico. Mas se a gente for pensar melhor, essa característica pode ser usada em nosso favor, sim. Vejam caros leitores, uma ideia. Se criarmos cursos intensivos de “lavadeiras pra fora” e lhes dermos condições para que elas possam ter um ambiente propício, um amante pinguço e morar na favela, e com isso ela poder encher o barraco de filhos, teremos uma possibilidade grande de que muitos desses míseros seres venham a tornar-se presidentes, prefeitos, deputados, cantores, juízes, pastores e membros famosos de uma facção criminosa. Às vezes fico olhando para trás e lembro que minha mãe lavava roupa no tanque também. Mas pra fora nunca. Talvez por isso eu não tenha dado certo na vida. Talvez por isso eu não tenha me tornado um alguém, com discurso social e lágrimas nos olhos. E quando eu lembro que poderia ter sido filho de lavadeira, me dá uma raiva tão grande de não tê-lo sido. Por que só comigo? Por que eles puderam e eu não? Hoje talvez eu estaria nos palcos, em programas de entrevistas na TV, escrevendo livros que contassem a minha história. Por que eu não? Por que a sorte não me sorriu?

248107_10151046423315955_1609549889_n

p.s.: Hoje a única coisa que eu sei é usar Vanish para tirar as manchas das roupas, mas as rugas do meu passado só com passe bem.

Obama, do tamanho que lhe cabe

Posted in Atualidades, Comentário, Eleições, Notícias, Opinião, Política with tags , , , on 13/04/2012 by Carlos Baltazar

Não lembro de ter feito qualquer comentário à respeito de Barack Husseim Obama (e veja lá se isso é nome de americano de verdade). Devo ter feito, mas não me lembro. Bem, vá lá. Acho que os Republicanos americanos são loucos, e somente loucos constroem um país, pessoas normais não tem peito. Ok, fizeram uma guerra maluca e têm um monte de aloprados no partido. Mas Democratas, são como a nossa esquerda aqui. Os PT e PSDB da vida. Incompetentes, arrogantes, midiáticos e vazios. O discurso de Obama sempre foi parecido com o do Calango Cachaceiro, apenas um defende a livre iniciativa e o outro a livre iniciativa contanto que ele desfrute bem dos dividendos. Um falou de saúde, o outro chorou pela mãe que morreu sem atendimento. Nenhum deles fez nada. Um tentou fazer alguma coisa na economia e só fez merda. O outro tentou a mesma coisa e achou melhor deixar como estava pra não dar merda. Um ficou oito anos para nosso sofrimento, lá também isso vai ocorrer. Ambos desconhecem o Brasil e isso não é uma coincidência. Um só sabe o que é ser pobre no Brasil, o outro mal sabe aonde fica o Brasil. Ambos são líderes de desgovernos. Um comandou o governo mais corrupto da história republicana deste país. O outro possui outras fontes de renda…

p.s.: os bons oradores tornam-se políticos apenas pelo carater de sua voz e eloquência…

 

Sarney, de novo…

E não é que o Sarney tá nas gravações do Cachoeira também. Ou alguém tinha dúvida disso. E agora josé? O aeroporto que tem lá um afilhado político colocado pelo cacique facilitava a entrada de contrabando e demais mercadorias…é, a vida continua…

 

p.s.: cambada de ladrões !!!