Farsa de Princípios

oprah P (2)

Assim como a nova musa vermelha, Fátima Bernardes, faz a alegria dos petistas, a Oprah e seu programa, estilo “Povo na TV” com jeito gringo, fazia a alegria dos democratas. E quando ela começou, na última festa capitalista-burguesa do cinema, um discurso com a frase: “tive uma infância difícil, passei dificuldades…”, falei comigo mesmo: nossa, e daí? Também passei dificuldades, e as passo ainda, vez ou outra, nem por isso fico tentando justificar nada ou suscitar lágrimas aos ingênuos. Mas a conversa aqui é outra. Nada mais mentiroso do que o politicamente correto, e essa onda feminista-sexista nada mais é que uma amarra na liberdade individual de cada um de nós, e uma tentativa hipócrita de igualdade de gênero, que só será possível com uma intervenção genética nas próximas gerações.

Essa onda circense das atrizes americanas, confrontada por atrizes francesas e outras, mostra um puritanismo falseado, baseado em que elas jamais se insinuaram, ou mesmo se jogaram sobre produtores, diretores e donos de estúdio só para protagonizar um bom filme. Sei. As artimanhas da Esquerda americana cada vez mais se assemelham às nossas. Esse ar politicamente correto de Oprah não mostra suas verdadeiras facetas. Mas não cabe a nós julgar, certo?

A política tem tentáculos e interesses em todos os cantos da sociedade. Oprah sabe disso, e abusa disso. Usou do seu programa para ajudar a eleger Obama, o insípido presidente que já foi tarde, e que, sim, elegeu Trump, por suas inegáveis e reticentes trapalhadas. Como aqui, quando FHC elegeu Lula, que elegeu Dilma, que nos deu o Temer de graça.

Não se pode confundir crime com tudo de humano que envolve a relação entre os sexos. Estupro é uma coisa, mas se você tem chance de dizer não, desculpe, diga e caia fora, e bote a boca no trombone. A sociedade cultural, sempre tão ciosa de experiências sexuais e lisérgicas, agora se diz quase virgem e inocente das próprias armadilhas. As feministas de plantão deveriam ser mais feministas e menos partidárias, se é que me entendem. No Brasil as feministas são quase um exército de mulheres sem escrúpulo de si, mas absolutamente intolerantes aos escrúpulos alheios.

Tudo isso ilumina bem os anseios de uns sobre controle da liberdade, natalidade e de opinião. Logo ninguém terá o pleno direito à opinião própria, mas a uma regida por artistas semi-analfabetos, políticos semi-honestos e religiosos quase-livres-do-pecado. Ah, e governos quase-sérios.

Detesto hipocrisia. E ver um bando de artistas privilegiados, fazendo-se de paladinos da verdade e do senso comum….poupem-me, por favor. Nossa TV também tem alguns desses, que querem impor a sua verdade para muitos, mas não passam de uma farsa. Pseudo-intelectuais do tablado querendo perdão para criminosos do dinheiro público. Pilantras. Pablos e Anitas, do pior que poderíamos produzir, conduzindo um rebanho de pessoas que usam o pior, pagam pelo melhor e riem-se, riem-se sem um pingo de razão.

Assim fazemos de nós o modelo para nossos filhos, num formato deturpado e vazio. Salve a América e seus burgueses hipócritas, resto de uma democracia que faliu e agora enxerga apenas em Trump seu pior inimigo, quando este está diante de seus próprios olhos. Ação!

oprah P (1)

p.s.: sim, Oprah é candidata à presidência dos EUA. Está bom pra você?

Anúncios

Obama, do tamanho que lhe cabe

Não lembro de ter feito qualquer comentário à respeito de Barack Husseim Obama (e veja lá se isso é nome de americano de verdade). Devo ter feito, mas não me lembro. Bem, vá lá. Acho que os Republicanos americanos são loucos, e somente loucos constroem um país, pessoas normais não tem peito. Ok, fizeram uma guerra maluca e têm um monte de aloprados no partido. Mas Democratas, são como a nossa esquerda aqui. Os PT e PSDB da vida. Incompetentes, arrogantes, midiáticos e vazios. O discurso de Obama sempre foi parecido com o do Calango Cachaceiro, apenas um defende a livre iniciativa e o outro a livre iniciativa contanto que ele desfrute bem dos dividendos. Um falou de saúde, o outro chorou pela mãe que morreu sem atendimento. Nenhum deles fez nada. Um tentou fazer alguma coisa na economia e só fez merda. O outro tentou a mesma coisa e achou melhor deixar como estava pra não dar merda. Um ficou oito anos para nosso sofrimento, lá também isso vai ocorrer. Ambos desconhecem o Brasil e isso não é uma coincidência. Um só sabe o que é ser pobre no Brasil, o outro mal sabe aonde fica o Brasil. Ambos são líderes de desgovernos. Um comandou o governo mais corrupto da história republicana deste país. O outro possui outras fontes de renda…

p.s.: os bons oradores tornam-se políticos apenas pelo carater de sua voz e eloquência…

 

Sarney, de novo…

E não é que o Sarney tá nas gravações do Cachoeira também. Ou alguém tinha dúvida disso. E agora josé? O aeroporto que tem lá um afilhado político colocado pelo cacique facilitava a entrada de contrabando e demais mercadorias…é, a vida continua…

 

p.s.: cambada de ladrões !!!

A sapatada no Brasil

Tem gente que pensa que o Brasil só está começando na esfera diplomática, que estamos aprendendo a ser grandes a partir da desastrosa condução diplomática no governo passado. Apoiamos ditadores muçulmanos e ateus, nos metemos em problemas alheios e pior, não resolvemos nada e ficamos ruins na parada por causa dos terroristas internacionais do Irã. O Brasil teve uma escola diplomática das mais respeitadas no mundo, não por sua capacidade de interferência, como querem as amebas da esquerda corrupta, mas antes pela propriedade de negociação e bom senso e o respeito pelos acordos internacionais dos quais ajudou a costurar. Rui Barbosa certo teria náuseas da nossa diplomacia hoje. A contaminação da diplomacia brasileira pela esquerda, acostumada a contatos com guerrilhas e sindicatos pelegos e ainda outros mais escusos, é visível e faz doente todo o esforço que foi feito para que nós fossemos vistos com um pouco mais de seriedade lá fora, esse o grande obstáculo para o nosso ingresso no clube das nações. Alcançar um assento no CS da ONU é para poucos. Ou para quem tem cacife bélico e político e/ou  credibilidade. Políticos no Brasil geralmente não são chegados à seriedade nem tampouco possuem credibilidade suficiente para comprar fiado no açougue. O barato do Obama acabou logo de partida. O assunto mais sério cogitado foi a simpatia do presidente americano para que pudéssemos usar o nome “cachaça” ao invés de “brazilian rum”. A reclusa Dilma pouco mostrou da importância da visita do gringo nestas plagas. Mesmo porque a pré-compra do petróleo do pré-sal ficou na saudade. Podiam ter chamado a Bethânia para negociar, essa sim sabe das coisas. É a sapatada no reino das bananas…

p.s.: em favor da diplomacia cada um coma a sobremesa que mais gostar…

Blog do Reinaldo

“A situação é séria. O Brasil está operando para minar a posição dos EUA na questão estratégica número um do governo Obama”

Só agora que eles perceberam que “esse cara” é um canalha, mentiroso, salafrário e cachaceiro, aliás perfil de quase todos do bando de cima. O “guru dos grandes temas mundiais” que, ao que dizem, quer ser secretário geral da ONU (pobre mundo) ou prêmio nobel da paz (só com muita aquavite) levou um desbunde do trouxa do obama que, enfim, se ligou que picareta o molusco é, e agora estão perplexos. Coisa que nós, um pouco mais próximos, já sabíamos muito bem.

Apenas um detalhe, segura que a porrada vem feia. O problema é que petista adora apanhar, pois isso acende a paixão e rende bons frutos mais tarde.