Arquivo para PM

Valério, o xadrez do mensalão…

Posted in Atitude, Atualidades, Comentário, Denúncia, Eleições, Mídia, Notícias, Opinião, Polícia, Política with tags , , , on 01/11/2012 by Carlos Baltazar

Marcos Valério, começou a cantar sobre vários assuntos e pessoas. Sabe o que tem e com quem está mexendo. Deve ter lá suas razões para se sentir garantido. Vamos ver se a coisa anda ou não. Enquanto isso o PSDB se vê às voltas com o crime organizado, mostrando covardia ideológica e falta de comando de decisão. A população começa a sentir os efeitos disso. Precisamos perder o medo de tomar decisões em nome do Estado de Direito, do bem estar da população e do direito dos inocentes. O que fazer? É só assistir a qualquer filme de mocinho e bandido americano.

p.s.: enquanto isso no ninho tucano, os emplumados começam devagarinho a se encaixar novamente…

Os parasitas da USP

Posted in Atitude, Atualidades, Comentário, Mídia, Notícias, Opinião, Política with tags , , , on 21/04/2012 by Carlos Baltazar

É de dar vergonha o parasitismo político canhestro que existe dentro da USP. Ao lado de cérebros privilegiados coexistem outros, no mesmo encéfalo crânio, pequenos seres unicelulares em visão humana. A celeuma da doação do banqueiro Pedro Conde, em generosos valores de um milhão de reais para reforma de uma sala qualquer e que receberia em troca uma placa qualquer com seu nome, reflete exatamente essa questão. Ninguém sabe o que faz a USP a não ser ela mesma. Por isso de nada serve, se nada serve à comunidade. Maconha, discussões sobre a presença da Polícia Militar, essas são frequentes. Mas por que investimos tanto dinheiro numa instituição de ensino que nada retorna para a própria cidade onde está ancorada? Nem a própria favela que coexiste consigo recebe algo dos doutos senhores de toga e títulos. Aliás, esse senhores devem saber que logo seus diplomas valerão tanto quanto suas cuecas sujas. Conhecimento, inovação de nada valem se não for compartilhado. A USP é uma ilha de sabedoria que nada produz, a não ser suas próprias rusgas acadêmicas e políticas. Ao lado de nerds acorrentados às suas teorias falidas pululuam viciados, alienados, aproveitadores e ratos da iniciativa privada. Esses últimos sabe lá porque. A cidade de Sâo Paulo não aufere um único motivo para ter a USP em seu solo pátrio. Jamais auferiu. Hoje vemos centros de excelência tecnológica, de inovação e educação por todo o Brasil. Enquanto isso a USP continua usufruindo de sua velha fama, que de tão velha mal se enxerga. Acordem doutores. Abram as janelas mestres. Sintam o cheiro de sua ruina senhores alunos. O mundo mudou e vocês sequer sabiam…

p.s.: vamos aproveitar a lagalização e criar um campo experimental da marvada…mas só para experiências no campus…

p.s.1: esse fato ocorrido na faculdade de direito mostra bem os doutos senhores que a Justiça irá compartilhar…pobres de nós…

Inimigos, inimigos, negócios à parte…

Posted in Atitude, Atualidades, Comentário, Eleições, Notícias, Opinião, Polícia, Política with tags , , , on 24/11/2011 by Carlos Baltazar

A pequena capacidade brasiliana de pensar e raciocinar mostra toda sua força quando discordamos de outras pessoas. A ignorância que lateja em nós é tanta que é sempre corriqueiro achar que quem discorda de nós é nosso inimigo. Independente de a nossa opinião ser a certa ou não, de termos ou não razão. Na política isso é muito comum. PT e PSDB são irmãos que se odeiam. Preferem aliar-se ao pior da direita do que cerrarem fileiras juntos. Pior para todos nós, e para o Brasil. Ambos escolheram os caminhos mais espinhosos, mais corruptos e mais solitários de verdade e patriotismo. Vejamos também o caso dos meninos e meninas que gostam de enrolar um lá na USP. À parte a razão de cada um em querer fumar ou não fumar, cheirar ou não cheirar, o que está em discussão é a legalidade da situação. O Estado leia-se, Poder Público constituído, faz cumprir a Lei que rege nossa conduta. Quem não está satisfeito torna-se um fora da lei ou muda-se para outro lugar, onde as leis sejam mais adequadas ao seu perfil pessoal. A PM não está na USP caçando maconheiros, ou usuários de maconha, ou seja lá que nome for, mas está cumprindo seu papel, imposto pela Lei, só isso. A USP é lugar de polícia? Sim, o Estado tem de estar em todos os lugares, senão vira favela do Rio, com domínio de grupos contrários às leis e ao Estado e contrários principalmente aos cidadãos de bem. A USP não é uma ilha só porque é povoada por ilustres cabeças pensantes e famosos doutores de abastadas famílias tradicionais. A USP é paga com dinheiro da população e não pode reservar-se a ser um reino próprio, com mosqueteiros e damas da corte (já nos basta o Congresso). Enquanto não for liberado o uso e porte é proibido e pronto. Na verdade, e o que não se fala é que além de fumar maconha na cara dos PM’s, os burguesinhos de Ipad ficaram tirando sarro de PM que está fazendo o seu trabalho e protegendo os doutores da bandidagem que os cincunda, e que lhes fornece suas carinhas de erva. É prá levar pau mesmo…e vai que gosta…

p.s.: Só para entender…ao mesmo tempo em que o senado ratifica a proibição de fumar em lugares públicos em todo o Brasil querem liberar a maconha?

p.s.1: apenas para informar aos meus queridos leitores que acham que eu sou reacionário…já fumei e traguei algumas vezes, acho que é porta de entrada para outras drogas sim, causa dependência sim, e dá grana para bandido sim. Esse romantismo dos anos 60 e 70 (porra, faz tempo, heim…?) já acabou…aliás a USP está em processo de deterioração há tempos e ninguém tem coragem de dizer…

Dá um microfone para ele…

Posted in Atitude, Atualidades, Comentário, Mídia, Notícias, Opinião, Polícia with tags , , on 08/11/2011 by Carlos Baltazar

As minhas raízes católicas me fazem ir à missa vez ou outra, aos domingos. Neste, após um longo intervalo de tempo, fui e fiquei surpreso com o formato da missa. É uma mistura de samba-do-criolo-doido com valsa vienense. A praga do Marcelo Rossi invadiu de vez a igreja, é musiquinha prá lá, é musiquinha prá cá. É mãozinha prá lá, é mãozinha prá cá. Deviam dar um microfone ao invés do roteiro da missa, assim todos poderiam se sentir pop stars como ele. No meio da coisa toda enfiaram um kyrie eleison, lógico em latim, que ninguém sabe o que significa. Então quando não são os ritos dos carismáticos, que mais parecem os falsos profetas protestantes arrependidos, são os discípulos do Marcelo de Santo Amaro, espécie de Madona da igreja. Depois do medo da gripe mexicana, ninguém mais se importa em dar as mãos de maneira arcaica e sem propósito. Acho que é preciso repensar tudo isso para não cair em tentação(sic). A “multidão”, formada por fiéis que observam já o tempo da prorrogação ou pênaltis, mal conseguia ficar em pé. Não há jovens, só velhos carcomidos pelo pecado e pelo medo. A novidade é que até padre angolano está vindo cá para estas bandas. Meu medo são eles dizerem ao final: ô mulata difícil…

Assim falava Dimenstein

A coluna do Gilberto Dimenstein dá o mesmo tom que eu venho dizendo nos últimos dois posts, aqui no SaborDigital: não existe nada de democrático, de discussão madura ou de liberdade no protesto dos pseudo estudantes da USP. São apenas maconheiros à serviço…bem, à serviço do nada.

Manda prá Cachola…

Posted in Atitude, Atualidades, Comentário, Denúncia, Eleições, Mídia, Notícias, Opinião, Polícia, Política with tags , , , , on 07/11/2011 by Carlos Baltazar

Recebi alguns comentários e condolências sobre o meu post USP, Maconha e Política. Apenas observo aos meus queridíssimos e qualificados leitores, a quem prezo com muito carinho e respeito, que não sou fascista, muito menos desesperado, apenas não concordo que pessoas utilizem de forma incauta o predicado político associativo de forma abusiva para alardear os benefícios da canabis para outras mentes fracas. Não é de hoje que a USP sofre com o desrespeito de seu corpo diretivo, docente e discente. Uma instituição que deveria estar pensando no futuro está amarrada como bondage em tempos que não virão mais e que não remetem a nenhumn tipo de prazer. Acordem, a ditadura militar acabou há muito tempo, antes do muro de Berlim, inclusive. Acho que nem a velha Marilena Chauí sabe mais o que significa a palavra companheiro. A bandeira de luta está errada (desculpem militantes do PCO e PSTU), seus matizes são deformados e caquéticos. A luta de classes proposta é mal intencionada e descabida em nossa sociedade. Apenas míopes do retrógrado ainda militam seu discurso vazio e sem nenhum valor político. Já fumei muita maconha e sei de seus prazeres, mas também sei que as propostas de uso devem ser discutidas enquanto ainda seu uso ainda é ilegal. Esse protesto bossa nova, feito por burgueses disfarçados de militantes não confere status de porra nenhuma a ninguém, ao contrário, distancia a discussão séria para uma situação que poderia ser resolvida de acordo com a importância da USP. Mas ficou do tamanho de uma guerra de gangues universitárias que querem tirar proveito de uma situação extrema para faturar algum dos nerds do campus. Caras, vão prá casa usar seus tablets 3G…

p.s.: não posso deixar de dizer que a turminha da USP que inventou o PT e levou uma rasteira federal(sic) do Lula, até hoje está chorando o “passa-moleque” que levou…são as viúvas do sindicalismo corrupto que choram ter perdido a boquinha e se refastelam na canabis como loucos esquecidos…dá-lhe PSTU e PCO, partidos sem causa e sem razão…

USP, Maconha e Política

Posted in Atitude, Atualidades, Comentário, Eleições, Mídia, Notícias, Opinião, Polícia, Política with tags , , , on 03/11/2011 by Carlos Baltazar

Esta semana, além da doença de Lula, a USP voltou ao noticiário pela petulância dos seus “alunos maconheiros” que querem que a Polícia Militar não mais faça policiamento ostensivo no campus. Usando razões políticas que remontam a década de 60, e o velho ranço que cerca os comunistas e suas teorias marxistas, os maconheiros da USP são o modelo de profissionais que estamos formando para as próximas décadas. Demonstram toda a inovação e o empreendedorismo que a causa psicotrópica requer. Todos dali estão preocupados com o futuro do país, da instituição e deles próprios. E de suas famílias também. E como todo bom comunista, possui uma família burguesa para chamar de sua e para dar razão filosófico-política às suas falácias. Seu discurso vazio e repleto de larica anárquica é um engodo só. Sua preferência por cigarros de ervas naturais, ricas em THC, deriva da saudosa prática que seus antepassados de luta armada usavam para criar coragem para enfrentar a polícia. Estamos vendo a decadência do corpo discente da USP, que se não fosse seu corpo docente, estaria mergulhada na mais profunda crise de identidade e conhecimento que já houve nas grandes instituições de ensino do país. Os representantes políticos do PCO, que de maneira canalha tomaram a reitoria da USP, mostram que suas causas, de operárias nada tem, ao contrário, deixam de lado pessoas que teriam melhor proveito de sua oportunidade para realizar uma ação política e educacional bem mais eficaz que esses pagés do bacharelismo estatal. Borá, mandar um prá cabeça.

p.s.: é possível ver no cartaz acima a profundidade política das razões que cercam os maconheiros, no campus da USP.

p.s.1: apenas para informar na cidade universitária da USP circulam mais de 100 mil pessoas todos os dias.

Marina Silva

Posted in Atualidades, Comentário, Denúncia, Eleições, Notícias, Opinião, Política with tags , , , , on 03/08/2010 by Carlos Baltazar

Deixando de lado a ingenuidade, ninguém acredita realmente que a dona Marina Silva, parente próxima do Lulla da Silva, mudou de opinião e de lado em tão pouco tempo de PV, esquecendo de todas as suas convicções campesinas marxistas injetadas pela doutrina pútrida do PT? Em seus comentários ela, a brejeira da floresta, não deixa de pronunciar-se sobre velhos temas que a faziam sorrir quando no governo e deita críticas sobre assuntos que pouco sabe. Em uma de sua s últimas máximas, a ararinha-azul do acre refere-se à segurança pública em São Paulo em “descontrole”. Gostaria apenas, e tão somente, com a licença da palavra, discordar de tão amistosa figura, informando que aqui ainda há controle por parte da polícia. Que tal dar uma passadinha rápida lá no Rio e perguntar pro Cabral como é que vai a PM de lá? Petista é como nóia, não deixa a droga nunca, nunca…

p.s.: seria bom a Dona Marina dar uma olhadinha no post deste blog, um pouco mais antigo, que fala sobre o uso de helicóptero pelo governador do seu estado, comprado para ser usado na segurança pública, mas voando por outros céus hoje em dia.