Paz, Pão e Terra…Brasilis

“Uma coisa é certa, meus patrícios: ou mudamos com urgência esse sistema de governo em que vimos insistindo há séculos, e que não nos dá liberdade, não nos traz igualdade, não nos promove como cidadãos, ou alguns farão a revolução”. 

                                                                                                              Carlos Baltazar

E o Brasil continua plantando tempestade. Os otimistas, junto com os pilantras, falam de melhoras em sorrisos sem cor, mas é ver a semana em Brasília para saber que nada disso é verdadeiro. O governo Temer é um preposto do governo petista, ou alguém duvida disso? O mesmo governo que desestruturou a política, a economia e a sociedade. Só que agora numa versão continuadamente piorada. Num país decente, o simples fato de ter contra si uma acusação de corrupção, de obstrução de justiça e organização criminosa, já renderia uma vergonha vitalícia e uma renúncia estratégica do poder. Mas aqui a vigarice é tanta que os valores morais e éticos são enxovalhados diuturnamente sem que algum desses que possuem o diploma de eleito, ou não o tenha, avoque a decência de pedir para sair.

Dois fatos simbólicos mostram o governo e a semana. A tal Luislinda mostra que ministro também é escravo de seus míseros vencimentos de 32 mil, e que quando desembargadora (imagine se uma decisão que lhe diz respeito caísse nas mãos dessa senhora?) a coisa era bem melhor. Calaram-se ela e o PSDB, o partido dos bons moços, ávidos por uns bons tostões e bons regalos de primeira, claro. Não é à toa que discursos sérios, relativos aos direitos humanos e a escravidão, sempre mal vistos e bem mal explicados, são tidos, muitas vezes, como despropositais. Pessoas assim fazem do debate algo pequeno e sem caminho.

E a mais factível das afirmações, feita pelo ministro da Justiça (cabra macho, heim?) que entregou um segredo de polichinelo: a PM do Rio tem acordo com o crime organizado nos morros e com deputados estaduais. Bom dia, comunidade! Alguém não sabia disso? A PM do Rio é a corporação policial mais corrupta do Brasil. Os traficantes dos morros são meros empregados dos patrões que desfilam na política local e nos coronelatos militares daquelas bandas. Nem componentes da velha guarda das escolas de samba acreditam que o Rio tenha solução, e que essa venha dos políticos ou da PM. Que o Christo Redemptor nos proteja.

Por fim, mais uma pataquada temerária, a redação do ENEM. Nenhum desses secundaristas metidos a Drummond poderia sequer tocar num assunto que cheirasse a desrespeito aos direitos humanos, senão nota ZERO. Alguns desses meros ocupantes da gestão nacional estão brincando de semideuses. Não, não são arroubos de censura como alguns pensam, mas pequenos poderes que, pequenos idiotas que estão lá de plantão, querem nos impor. Não há que se temer a volta de tenebrosos tempos, mas que nós deveríamos ter sido mais corajosos antes escolher manter um vice desses como presidente, sem dúvida.

O Brasil não pode temer a democracia. Quem se borra medo dela são os políticos. Não nos enganemos, não há democratas em Brasília, mas gente que quer manter-se no poder a qualquer custo, mesmo se o caminho for duvidoso em direito e liberdade. A escolha por esse governo foi feita dessa forma, tivemos medo do vazio que o poder pudesse sofrer. Mas, não há vazio de poder numa democracia.

Uma coisa é certa, meus patrícios: ou mudamos com urgência esse sistema de governo em que vimos insistindo há séculos, e que não nos dá liberdade, não nos traz igualdade, não nos promove como cidadãos, ou alguns farão a revolução. Ou nós brasileiros assumimos com coragem o poder de decidir nossos próprios caminhos ou ficaremos sempre à mercê desses fantoches da política que nos perseguem há anos. Ou vamos para as ruas exigir decência, transparência e caráter, ou é melhor deixar baixar a canga e aceitar o jugo da escravidão moldada por eles, para nós, em pleno século XXI.

Anúncios

Separatismo, esperança de viver!

sp2

Polêmica à vista…sou um separatista por natureza. Não creio que deva ficar atado ao que não quero. Luto contra a classe dominante estrangeira. Desde antigamente, os conquistadores e “ganhadores” das guerras, definiam quem pertencia a quem. Claro que segundo interesses econômicos e geopolíticos. Assim, depois de findada a segunda guerra mundial, os comunas ganharam um monte de repúblicas e os capitalistas idem. Uns sob o manto do medo e outros do engano. Mas o que me deixou assanhado para falar deste assunto foram duas coisas: o plebiscito da Catalunha e a guerra do tráfico no Rio de Janeiro. Compatibilidade de razões? Talvez.

folheto_nordeste_independente

Comecemos então pela Catalunha, uma terra dominada pela coroa espanhola, e que representa 20% do PIB da própria, por isso esse amor dos espanhóis pela Catalunha. Se eu fosse Catalão, também não gostaria de ser espanhol, nem mesmo não o sendo. Mas o que esses “ajuntamentos” de pessoas sem identidade comum causam? Dor, ódio, morte, terror. E vários são os exemplos. A cortina de ferro massacrou populações inteiras e suas culturas ao comunismo irracional da Rússia. Obrigou inimigos a compartilharem espaços. E não foi nenhum exercício de universalismo tântrico. Na verdade, o massacre humano começa e se perpetuar com esse “ajuntamento” sem propósito que se chama mundialização ou globalização (se disserem que os termos são diversos, não aceite, não são). Somos tribais até hoje, não adianta dizer ou impor o contrário.

Por que essa migração de muçulmanos para a Europa não vai dar certo? Porque é um “ajuntamento” promovido por governos, não por pessoas. Teremos mortos, feridos e um fim trágico, com certeza. O poder dos governos impõe seus costumes políticos a pessoas que não querem saber de política. Muitas dessas repúblicas soviéticas assumiram, após a falência da falecida URSS (e que seus inspiradores ardam nas profundezas do inferno pela eternidade), sua identidade e seu separatismo à custa de sangue e honra tribais. Não se juntam diferentes, dá merda. O resto é discurso dos que querem a mundialização, para dominar, extinguir nações e identidades.

Manifestação-em-Curitiba-Praça-Rui-Barbosa-31-de-março-1024x426

Mas, o que Rio de Janeiro tem a ver com separatismo? Voltemos aos idos de 1494, quando a coroa portuguesa e o reino da Espanha dividiram estas plagas como bem quiseram e aqui instituíram divisões territoriais para “facilitar” sua exploração e controle desse novo “território adquirido”. Criaram-se “impérios” sem sentido e sem identidade. A partir daí foram juntadas pessoas que nada tinham em comum, nem mesmo os nativos. Mentiram para nós na Monarquia e na República! O Brasil tornou-se literalmente uma geleia real, uma mistura de várias identidades que em raros momentos conseguiam se entender devidamente. E quem sempre tentava conduzir esse entendimento eram os…dominantes. Também por isso alguns movimentos separatistas foram surgindo e ganhando força. Alguns deles ainda segregam nativos de regiões outras que não os da sua, e alguns incidentes são encobertos por essa mesma elite dominante, com o devido interesse, claro. Sem dúvida um país se mostra forte quando a identidade é forte. E não é esse o nosso caso.

O Brasil sempre foi um império fraco, e tornou-se um país fraco, porque não possui identidade. Essa mesma identidade fragmentada pelos patrícios do poder, ajuntados séculos atrás. Se alguém acha que existe uma identidade única entre as regiões brasileiras precisa de uma reciclagem sociológica, rápido. O Sul é um forte candidato ao separatismo. O Nordeste/Norte idem, por incrível que pareça. E o Sudeste/Centro-oeste fica só assuntando.

Sem título

O Rio, famoso por sua socialista integração Morro/Asfalto, mostra que não é assim como muitos pensavam. O romantismo fictício dos anos dourados tornou-se um tormento para o povo carioca, porque há sim uma guerra declarada entre diferentes que coabitam o mesmo espaço. Isso é uma analogia? Talvez, mas exemplifica bem o que se vive hoje no Brasil. Sociedades diferentes habitando o mesmo espaço e interesses. Governos, População e Crime. Será que isso não é uma representação alegórica do nosso país? Quantas tribos que vivem aqui, não podem expor suas identidades?

Se dividíssemos o Brasil em três repúblicas seria um golpe fatal nos que nos dominam há séculos. Teríamos sem dúvida identidades mais definidas, responsabilidades mais claras, países melhores. Cada qual com sua riqueza maior. Irmãos para sempre, mas morando em casas separadas. Daríamos aos governos de hoje uma lição de etnia, nacionalismo e seriedade. O Brasil hoje se debate por sua própria inocência nacional. Seu povo padece de muitos males pela própria incompreensão de quem somos. E é muito fácil saber se tudo isso é verdadeiro. Basta tentar lembrar dos heróis nacionais de nossa história, e se algum deles foi algum dia inspirador para todos nós ou somente motivo de chacotas. Agora vamos tentar os vultos regionais…aí fica mais fácil, não é? Temos guerras, rebeliões e até santos regionais. Isso é identidade. Nossa Senhora de Aparecida é padroeira do Brasil, mas é Padre Cícero que manda no Nordeste, é o Círio de Nazaré que comanda o Norte, e por aí vai. Riqueza cultural ou identidade diversa?

12003210_10204938428768246_2601274163339074168_n

Quem sabe se um novo processo de identidade nacional começasse a ser discutido, pelo reconhecimento de que há diferentes identidades tentando em vão ser iguais. Quem sabe a união de todos nós passe pela criação de novos formatos de junção pátria. Quem sabe a verdadeira democracia não é o “asfalto” tentar dominar o “morro”. Identidades temos muitas, escolhidas por nossos ancestrais tribais. Não adquirimos ou podemos renegar nossas raízes para tentar ser quem não somos.

Por isso, viva a independência da Catalunha!  Viva a independência do país Basco!

 

Ordinários, marchem!

31837_resize_620_380_true_false_null

As Forças Armadas constituem a base da segurança e legitimidade dada aos governos eleitos democraticamente no país. Mas quem conhece um pouco a comunidade de informações militar sabe que esse é um recado dado, por quem sabe se fazer entender. O atual ministro do Exército é um almofadinha, que tenta liderar a força, desde os governos do PT, com um discurso de intelectualoide três estrelas. O general do Exército da ativa Antonio Hamilton Martins Mourão, que já foi Comandante Militar do Sul, foi transferido para Brasília, porque os petistas ficaram amedrontados com seu discurso e sua força militar, que poderia marchar até a capital. O medo de represálias e outros fatores, fizeram Lula e Dilma nomear fantoches para o comando das forças armadas, afinal eram guerrilheiros intelectuais e assassinos que estavam a comandar o país. Mas essa prática de enfraquecimento iniciou-se com FHC e sua didática de gestão Comunista Fabiana. Com ele as forças militares começaram a amargar cortes sucessivos de recursos, projetos e espaço. Lula seguiu seu padrinho e continuou o sufocamento e o desmonte militar. Dilma, o fantoche de Lula, seguiu suas ordens. E os comandantes militares dos petistas chegaram ao cúmulo de permitir todo tipo de interferência dos petistas em suas forças que, até mesmo há uma investigação sobre a presença de um dos filhos de Lula no recebimento de propina por conta da compra dos jatos de guerra SAAB-Gripen.

Não adianta negar que a política no Brasil faliu, por culpa da corrupção e pela inabilidade dos políticos. E pior, seu destino está nas mãos do Judiciário brasileiro. Quer coisa pior? Uma das piores elites que este país já produziu, e que se perpetua há quase 500 anos. Muitas das grandes fortunas deste país foram feitas por decisões judiciais duvidosas e por ações ilegais amparadas por essas mesmas decisões. Claro que o nível de corrupção no judiciário tem outro patamar, talvez um pouco mais próximo do que pudemos ver nos últimos noticiários, com os irmãos Batista. E os governos do PT trouxeram um agravamento absurdo no perfil desse judiciário que vemos hoje. Um poder ainda mais descolado da corrupção no Brasil e de sua sociedade. A ponto de termos uma Corte Suprema integralmente politizada. Não é à toa o recado do General Mourão aos senhores do judiciário brasileiro. A bola está com eles.

general mourão

O PMDB, desde sempre fiel escudeiro do PT, portanto igualmente corrupto, ou pior, tem mostrado que o país está na mão de bandidos. Temos presidente para dizer que temos, simples assim. Tal qual seu irmão de eleição, o PMDB possui também seu núcleo político-criminoso. E o chefe, segundo a Polícia Federal, não é ninguém mais do que mais um Presidente da República. Desde a “redemocratização” todos os presidentes do Brasil estiveram e estão envolvidos com corrupção. Isso é uma temeridade. É uma blasfêmia contra o povo humildade e pobre do Brasil. A corrupção não é exceção, mas pratica corriqueira no Brasil.

O que fazer, mudar novamente a capital do pais, como ocorreu há algumas décadas ou estabelecer leis capitais para tais senhores? Quando no Rio a corrupção estava igualmente endêmica, às raias da indecência pátria. Brasília foi um sonho que Juscelino perpetuou com um custo que até hoje a previdência não consegue suportar. Muitos ficaram milionários, inclusive o chefe do clã dois Batista, que vendia carne para as empresas que construíam a capital. Não poderia mesmo dar certo. Brasília já nasceu sob a égide da corrupção e da junção de capitães do mato, jagunços, coronéis e pistoleiros. E ainda hoje o é. Vez ou outra vemos lá um deputado ou senador nomear outro como “vossa excelência é senhor de jagunços”. Como pode dar certo?

Se acaso as Forças Armadas tomarem o poder novamente em suas mãos, será uma catástrofe, não pelos efeitos dessa própria ação, mas pela definitiva e patente incapacidade dos brasileiros civis em conduzir seu próprio destino, com decência e nacionalismo. Comunistas, Socialistas, Liberais, Democratas, todos frouxos em seu patriotismo e canalhas em suas ambições. Destruir as chances de construir uma Nação de verdade, pelo preço medíocre de serem mais ricos, num país de miseráveis. Pecado Capital, sem perdão. Deveriam ser julgados numa corte militar ou pelo próprio Deus em pessoa.

Marcha das Vadias

Seguindo bom exemplo vindo de fora, as meninas de vida boa e de boa vida trouxeram a Marcha das Vadias com o mote da violência contra a mulher. Elas querem ter o direito de andar do jeito que bem entenderem sem serem molestadas ou bolinadas. Tá certo. Só não sei se a rapaziada vai entender isso…

Crédito ou Débito?

Bem, se o assunto é Deus você já possui essas duas opções. Uma igreja protestante, ou neo-pentecostal como preferem alguns, da parentada do Edir Macedo, criou o “benefício”. E você ainda ganha um brinde de Jesus, segundo RR Soares, dono da bagaça. É só se inscrever e desfrutar dos benefícios. Tem também o cartão de crédito, caso você queira fazer umas comprinhas nos templos ou através da internet. E assim caminha a humanidade…

Conselho Nacional de Educação

Reviu, após decisão imbecil, ridícula e ignorante, a recomendação negativa ao livro “Caçadas de Pedrinho” de Monteiro Lobato, chamado de racista. Eu, como leitor de suas obras na infância, diria para esses senhores e senhoras, com todo o respeito, vão pentear os macacos do Monteiro e vão ser medíocres lá em Brasília, aonde mais poderia ser. O problema da educação no Brasil não é só de governo não, mas principalmente dos educadores que mal conseguem se entender sobre pedagogia, didática e currículo. Tentam reinventar a roda e colocar seu nome na história.

Copa 2014

Mais uma da CBF, via Ricardo Teixeira: quer São Paulo fora da copa de 2014. Eu gostaria mesmo que São Paulo ficasse fora da copa, porque se entrar vai ter que entrar na corrupção que o dito senhor promove em todos os níveis de sua atuação. Acho que o Rio é o Rio e São Paulo é São Paulo. Não é bairrismo, é postura, história e seriedade. E isso se estende em todas as áreas e, principalmente, no futebol. O Rio está falido desde que deixou de ser capital federal tal era o descalabro de corrupção que lá havia, mais ou menos como hoje está Brasília. A CBF, mantida no Rio pela mafiosa Rede Globo, é causadora de um atraso no futebol que só não é mais visível porque temos craques de sobra. E mesmo assim passamos muita vergonha. O ex-presidente João Havelange construiu sua fortuna não foi com a viação cometa, e o genro (putz!) segue o mesmo caminho. É uma vergonha o que se passa neste país. Falta gente decente em todas as áreas, principalmente em instituições públicas e mesmo nas privadas. É preciso mudar essa faceta do Brasil. É preciso que gente decente grite contra esses verdugos da desonestidade. Enquanto trouxas vão aos campos e pagam seus ingressos, muito desse dinheiro é desviado com a conivência dos cartolas dos clubes e da CBF. Dinheiro que vai para o bolso deles. Mas nós, senhor Ricardo Teixeira, nós aqui preferimos ganhar dinheiro com o trabalho decente. E não se engane, a vida cessa para todos, inclusive na Dutra com um ônibus da Viação Cometa…

p.s.: pessoas boas há em qualquer lugar, mas tem uns em que a incidências de picaretas é tão grande que o melhor é ficar longe, bem longe… 

Nos campos do absurdo

Difícil não dizer algo sobre o absurdo cometido por um débil mental contra inocentes vidas que apenas estavam aflorando. Esse é o termo. Ceifaram-se flores que embelezam a razão da vida de todos. Crianças, adolescentes, jovens, esses são a fé num mundo que tem continuidade, é nossa crença no amanhã. E quando um fanático e débil mental, como tantos que nos rondam todos os dias, percebe a sensação que o futuro causa, ele se desespera, porque sua mente débil desconhece a beleza da criação, por mais que Dele falem. Esses débeis mentais O desconhecem, na verdade O desafiam em sua força de criação, atacando exatamente essa possibilidade de prolongamento e fertilidade da vida. Porque eles odeiam a vida, tanto quanto quem dela consegue tirar alegria, prazer, amor. Fanáticos de toda ordem usam o nome de Deus como razão para suas barbáries. Descartam a condição primeira da existência de Deus que é a Vida e toda a sua generosidade. Esses débeis mentais não possuem generosidade, apegam-se antes a dogmas que lhes sirvam de razão. Usam esses mesmos dogmas para julgar pessoas segundo sua própria debilidade humana, e esses mesmos passam a ser seu motivo de vida, a que eles próprios não conseguem ter e que o seu “deus” não lhes dá. Geralmente os encontramos através de um comportamento soturno,  desorientado mental e sentimentalmente. As condições precárias favorecem sua miséria humana dando levedura aos mais impensados atos que um ser humano jamais pensaria em cometer. Mas sua debilidade humana faz-lhe enxergar com menos sutiliza e crueza a verdade de sua própria existência. Para esses débeis mentais tirar a vida é como possuí-la, uma vida que eles nunca tiveram e que uns poucos loucos que professam sua debilidade semearam em sua premoníaca personalidade. Perdoem crianças, eles não sabem o que fazem.

p.s.: a ignorância sempre foi a mãe da insensatez, assim como a miséria humana é campo fértil para fanáticos de toda ordem…

Sem graça nenhuma

A passeata dos humoristas no Rio foi um ato dos mais relevantes que eu já assisti, e que deve começar a preocupar muita gente no que diz respeito ao nosso futuro como nação. Depois de alguns anos em que a censura reinou, depois de alguns anos de liberdade de expressão, o PT e seus ideólogos políticos voltam suas baterias para o controle da mídia e da sociedade, como em todos os países que vivem regimes políticos ditatoriais. O PT nunca foi democrático, Lulla nunca foi democrático e Dilma, justo quem, em momento algum foi democrática. Nem será se eleita. A turma do PT da Dilma é xiita, corrupta e quer a revolução social, já que a política não é tão fácil assim. A disputa de classes e o populismo são a forma mais rasteira de manipulação que um governo pode inserir entre seus compatriotas (possuímos uma manada de imbecis e iletrados que adora ser enganada). Esse viés racial que tentaram impor foi ridículo, jogando brasileiros contra brasileiros. Isso nunca foi verdadeiro. Outro furtivo exemplo é a lei da palmada, onde o governo quer impor para você de que forma você deve criar os seus filhos. Aos poucos “eles” vão infiltrando a idéia e a necessidade de que eles sabem o que fazem e ninguém melhor que eles para dirigir a nossa vida. Segundo um sujeito que eu vi ontem na TV, e para quem acredita, esse é o nosso karma agora. Eles serão os nossos algozes até que um dia lhes diremos basta! Quando estivermos cansados de sermos enganados, roubados, manipulados. Só não sei de que forma, se nas urnas ou nas ruas vermelhas de ódio e sangue…

p.s.: a oposição, leia-se PSDB, mais uma vez, está dando uma lição de incompetência e traição ao seu candidato oficial. Assim como com Geraldo, Serra foi largado à sua própria sorte, já que não fez conchavos nacionais, nem trocou ideologia por propina e cargos.

p.s.1: geralmente os que tentam se salvar sozinhos são os primeiros a morrer juntos…

Rio .50

Não é possível que as autoridades federais e as estaduais do rio de janeiro não estejam sentindo a gravidade do que acometeu a cidade do rio neste fim-de-semana, e que culminou com a derrubada de um helicóptero e a morte de mais três PM’s. Há muito vem se falando em guerra urbana, mas a rede globo e a esquerda preferem usar o termo guerra do tráfico, assim como “comunidade” ao invés de favela. Ora pergunte a qualquer pessoa que não está envolvida com o tráfico qual é o sonho dela. Certeza que nenhuma delas dirá: “eu quero me formar médico e continuar morando na comunidade”…ô cacete! Favela é para bandido, pessoas honestas estão lá por necessidade, não por gosto. Não é preciso morar na favela para manter tradições culturais ou raízes; como já dizia Joãozinho 30 “quem gosta de pobreza é intelectual”, principalmente os do pt. É preciso limpar a cidade fazer moradia decente e manter ruas, escolas, creches e hospitais abertos. Tirar as pessoas daqueles guetos imundos, que de comunidade não tem nada. Nós queremos pular de alegria sim quando o rio tratar bem as pessoas que vivem lá, para que elas não precisem fugir de balas perdidas ou até da polícia.

bunda+brasil

 

p.s.: esse romantismo culturalmente fétido e os discursos podres desses políticos matam pessoas todos os dias, queimadas e na poeira…